Acordo de não executar definição

Publicado por Javier Ricardo - 15 fevereiro, 2021

O que é o Pacto de Não Executar


Um pacto de não execução é um acordo de ação judicial em que o autor concorda em não executar uma sentença contra o réu.
Uma cláusula de não execução em uma ação de indenização de seguro é normalmente fornecida por um requerente que deseja buscar uma parte dos danos gerais do segurado, ao mesmo tempo que se reserva o direito de fazer reivindicações adicionais contra outras apólices até que todos os danos sejam cobertos.

Compreendendo o Pacto de Não Executar


O pacto de não execução é uma promessa do reclamante de não buscar mais danos ao segurado.
Os processos de indenização de seguros envolvem três partes principais: o segurado, a seguradora e o reclamante. Cada parte tem seus objetivos separados que espera alcançar. O segurado deseja se contentar com o mínimo possível. A seguradora deseja reduzir sua exposição a perdas ao menor valor. O reclamante deseja o máximo possível de dinheiro com o processo.


A seguradora indeniza o segurado, pelo que é responsável por defender o segurado contra a ação judicial.
Em alguns casos, entretanto, a seguradora não age no melhor interesse do segurado e se recusa a fazer o pagamento. Nesse caso, o segurado e o reclamante podem concordar em limitar o julgamento para que o reclamante vá atrás da seguradora.


Principais vantagens

  • Um pacto de não execução é uma promessa do autor, geralmente o segurado ou reclamante, de limitar o valor dos danos pretendidos em uma ação de seguro.
  • É usado como uma manobra estratégica pelo reclamante e segurado para atingir a seguradora por danos monetários.
  • Alguns tribunais estaduais impuseram restrições onerosas ou não permitem arquivamentos de pactos para não execução.

Problemas com convênios que não devem ser executados


Muitas seguradoras argumentam que um réu que consente com uma sentença, mas é protegido por um pacto de não execução, não é legalmente obrigado a pagar aos demandantes e, portanto, não sofreu perdas.
Uma minoria de tribunais barrou tais acordos nessa lógica, concluindo que a confissão da sentença, na qual o segurado jamais esperaria pagar com seus próprios recursos, anula a possibilidade de cobertura. Os tribunais alertam que manter o contrário seria um convite ao conluio entre as partes do acordo.


Executar um pacto de não execução pode ser uma estratégia complicada e depende da jurisdição dentro de um determinado estado.
Existe a abordagem majoritária, seguida por tribunais em estados como a Califórnia, e a abordagem minoritária, seguida por tribunais em estados como a Carolina do Norte. Neste último caso, os tribunais da Carolina do Norte argumentaram que um pacto de não execução constitui uma forma de liberação para o segurado de honrar legalmente sua obrigação. Eles afirmam que isso também isenta as seguradoras da obrigação legal de indenizar os reclamantes.


A Califórnia impôs condições para que um convênio não seja executado seja válido.
Uma dessas condições é que a seguradora deve negar cobertura e defesa ao segurado antes que o convênio de execução seja implementado. O estado também exige que os acordos de liquidação entre o segurado e os reclamantes sejam razoáveis, não colusivos e de boa fé.

Exemplo de convênios para não executar


Por exemplo, uma construtora adquire uma apólice de seguro de responsabilidade civil para protegê-la contra certos riscos enquanto constrói um novo hospital.
Vários anos após a conclusão do projeto, o hospital apresenta deficiências de construção e a operadora do hospital abre uma reclamação para pagar pelos reparos. A operadora do hospital, agora a demandante, faz uma demanda de acordo com a seguradora e a construtora, mas a seguradora não está disposta a aceitar a demanda de acordo com o demandante. A autora indica que está disposta a não executar sentença contra a construtora em troca de a construtora ceder à autora o seu crédito contra a seguradora. O demandante estaria, portanto, livre para pedir indenização à seguradora.