Escândalo do óleo de salada

Publicado por Javier Ricardo

Qual é o escândalo do óleo de salada?


O escândalo do óleo de salada do início dos anos 1960 foi um dos piores escândalos corporativos de sua época.
Aconteceu quando executivos da Allied Crude Vegetable Oil Company, sediada em Nova Jersey, descobriram que os bancos fariam empréstimos garantidos pelo estoque de óleo de soja ou óleo de salada da empresa.


Quando os inspetores testavam os tanques de contenção da Allied para confirmar se estavam cheios, a empresa passou consistentemente no teste.
No entanto, a gerência não lembrou a ninguém que o óleo flutua na água. Os recipientes, cheios de água, tinham apenas alguns metros de óleo no topo, enganando a todos. Em 1963, o golpe veio à tona, e mais de US $ 175 milhões em óleo de salada estavam faltando, causando várias reverberações notáveis ​​no mercado.


Principais vantagens

  • O escândalo do óleo de salada foi um esquema financeiro fraudulento cometido na década de 1960 por executivos da Allied Crude Vegetable Oil Company.
  • A premissa do esquema era usar o estoque de soja e óleo de salada da Allied como garantia para obter empréstimos da American Express. O dinheiro do empréstimo foi usado para comprar contratos futuros de óleo de soja.
  • A compra de contratos futuros de óleo de soja aumentaria o preço do óleo de soja, aumentando o valor do estoque de óleo de soja da Allied e permitindo-lhe ganhar dinheiro com seus contratos futuros.
  • A fraude consistiu na falsificação de estoque de óleo de soja, sendo que a maior parte do estoque era, na verdade, água coberta com uma pequena porção de óleo de soja.
  • Por fim, um denunciante notificou os investigadores da American Express para dar uma olhada nos tanques de óleo de soja onde descobriram o engano.
  • O escândalo teve repercussões em todos os mercados financeiros, levando a falências, liquidações, perdas com empréstimos e fusões.

Compreendendo o escândalo do óleo de salada


O mentor do Escândalo do Óleo de Salada foi Anthony De Angelis, um comerciante de commodities e fundador dos Aliados.
Ele acabou cumprindo sete anos de prisão por fraude e conspiração.


No início, a Allied lucrou principalmente exportando óleo de soja, gordura vegetal e outros produtos relacionados dos Estados Unidos.
Buscando aumentar os lucros da Allied, De Angelis elaborou um plano no início dos anos 60 para garantir o estoque substancial de produtos de soja da empresa e usar os recursos do empréstimo para comprar petróleo futuro.


Ele esperava virtualmente monopolizar o mercado de óleo de soja, elevando o preço e, assim, elevando o valor de suas posições futuras e de commodities subjacentes.
Na época, a American Express estava entre os maiores fornecedores desses empréstimos para a Allied.


Em algum momento, a Allied começou a falsificar registros para obter mais empréstimos, alegando muito mais óleo de soja do que mantinha armazenado.
A American Express enviou inspetores para verificar os níveis de estoque, mas nenhum detectou água no fundo dos tanques da empresa.


A fraude foi exposta quando um denunciante anônimo contatou a American Express e recomendou que seus inspetores examinassem de perto um dos maiores tanques de óleo de soja da Allied.
Ao dar uma olhada mais de perto, os inspetores descobriram o engano.

Implicações de mercado do escândalo do óleo para salada


Em 19 de novembro de 1963, a Allied Crude Vegetable Oil Refining Corporation entrou com pedido de falência, dando início a vários eventos em rápida sucessão, incluindo uma queda de mais de 20% nos contratos futuros de óleo de soja.


De Angelis também pediu falência pessoal, deixando a American Express para pagar a conta dos empréstimos inadimplentes.
Isso resultou em uma diminuição significativa em seu valor de mercado. Além da American Express, o escândalo enfraqueceu outras empresas de Wall Street, o que contribuiu para o caos financeiro que se seguiu ao assassinato de Kennedy alguns dias depois.


Esses eventos incluíram a liquidação da Ira Haupt & Co., resultado de chamadas de margem do cliente na sequência do escândalo dos Aliados, bem como a fusão forçada da corretora JR Williston & Beane com uma empresa rival.


Também digno de nota, o investidor Warren Buffett comprou uma participação de 5% na American Express em meio ao escândalo, resultando em um de seus primeiros sucessos de investimento.

Precursor do escândalo do óleo para salada


O escândalo do óleo de salada não foi o primeiro golpe financeiro de De Angelis.
Antes do escândalo do óleo de salada, De Angelis estava envolvido em um esquema financeiro com a Lei Nacional de Merenda Escolar e a Adolph Gobel Co. Nesse caso, ele enganou o governo cobrando a mais por entregas de comida. Ele também forneceu dois milhões de libras de carne não inspecionada. Assim que foi pego, ele acabou falido.


Este esquema o fez perceber que ele poderia tirar proveito dos esquemas do governo, razão pela qual ele criou a Allied Crude Vegetable Oil Company, para aproveitar as vantagens do Programa de Alimentos pela Paz do governo.
Mesmo depois que De Angelis foi libertado da prisão pelo escândalo do óleo de salada, ele participou de outros esquemas fraudulentos.