Escola Austríaca de Economia

Publicado por Javier Ricardo


Se você tem a impressão popular de que economistas ávidos por dados estão sempre ocupados com fórmulas complexas e não com pensamento fora da caixa, então você deveria dar uma olhada na escola austríaca.
Assim como os monges que vivem em seu mosteiro, os economistas desta escola se esforçam para resolver questões complexas – econômicas – conduzindo “experimentos mentais”.


A escola austríaca acredita que é possível descobrir a verdade simplesmente pensando em voz alta.
Curiosamente, este grupo tem percepções únicas sobre algumas das questões econômicas mais importantes de nossos tempos. Continue lendo para descobrir como a escola austríaca de economia evoluiu e onde ela se encontra no mundo do pensamento econômico.

A Escola Austríaca: Uma Visão Geral


O que conhecemos hoje como a escola austríaca de economia não foi feita em um dia.
Esta escola passou por anos de evolução em que a sabedoria de uma geração foi passada para a próxima. Embora a escola tenha progredido e incorporado o conhecimento de fontes externas, os princípios básicos permanecem os mesmos.


Carl Menger, um economista austríaco que escreveu
Princípios de Economia  em 1871, é considerado por muitos como o fundador da Escola Austríaca. O título do livro de Menger não sugere nada de extraordinário, mas seu conteúdo se tornou um dos pilares da revolução do marginalismo.  Menger explicou em seu livro que os valores econômicos de bens e serviços são subjetivos por natureza, então o que é valioso para você pode não ser valioso para o seu vizinho. Menger explicou ainda que, com um aumento no número de bens, seu valor subjetivo para um indivíduo diminui. Esse insight valioso está por trás do conceito do que é chamado de utilidade marginal decrescente.


Mais tarde, Ludwig von Mises, outro grande pensador da escola austríaca, aplicou a teoria da utilidade marginal ao dinheiro em seu livro
Theory of Money and Credit  (1912).  A teoria da diminuição da utilidade marginal do dinheiro pode, de fato, ajude-nos a encontrar uma resposta para uma das questões mais básicas da economia: quanto dinheiro é muito? Aqui também, a resposta seria subjetiva. Um dólar a mais nas mãos de um bilionário dificilmente faria qualquer diferença, embora o mesmo dólar fosse inestimável nas mãos de um pobre.


Além de Carl Menger e Ludwig von Mises, a escola austríaca também inclui outros grandes nomes como Eugen von Bohm-Bawerk,
 Friedrich Hayek e muitos outros. A escola austríaca de hoje não se limita a Viena; sua influência se espalha pelo mundo.


Ao longo dos anos, os princípios básicos da escola austríaca deram origem a valiosos insights sobre várias questões econômicas, como as leis de oferta e demanda, a causa da inflação, a teoria da criação de moeda e a operação das taxas de câmbio.
Em cada uma das questões, os pontos de vista da escola austríaca tendem a diferir de outras escolas de economia.


Nas seções a seguir, você pode explorar algumas das principais ideias da escola austríaca e suas diferenças com outras escolas de economia.


(Para leituras relacionadas, consulte:
Como a utilidade marginal pode explicar o paradoxo ‘Diamante / Água’? )

Pensando em sua própria metodologia


A escola austríaca usa a lógica do pensamento a priori – algo que uma pessoa pode pensar por si mesma sem depender do mundo exterior – para descobrir leis econômicas de aplicação universal, enquanto outras escolas tradicionais de economia, como a escola neoclássica, os novos keynesianos e outros, fazem uso de dados e modelos matemáticos para provar seu ponto de maneira objetiva.
Nesse aspecto, a escola austríaca pode ser mais especificamente contrastada com a escola histórica alemã, que rejeita a aplicação universal de qualquer teorema econômico.

Determinação de preço


A escola austríaca sustenta que os preços são determinados por fatores subjetivos como a preferência de um indivíduo em comprar ou não comprar um determinado bem, enquanto a escola clássica de economia sustenta que os custos objetivos de produção determinam o preço e a escola neoclássica sustenta que os preços são determinados por o equilíbrio da oferta e da procura.



A escola austríaca rejeita tanto a visão clássica quanto a neoclássica, dizendo que os custos de produção também são determinados por fatores subjetivos baseados no valor dos usos alternativos de recursos escassos, e o equilíbrio entre demanda e oferta também é determinado por preferências individuais subjetivas.


(Para leituras relacionadas, consulte:
Macroeconomia: Escolas de Pensamento .)

Bens de capital


Uma visão central austríaca é que os bens de capital não são homogêneos.
 Em outras palavras, martelos e pregos e madeira e tijolos e máquinas são todos diferentes e não podem ser substituídos uns pelos outros perfeitamente. Isso parece óbvio, mas tem implicações reais em modelos econômicos agregados. O capital é heterogêneo.


O tratamento keynesiano do capital ignora isso.
O produto é uma função matemática importante nas fórmulas micro e macro, mas é derivado da multiplicação do trabalho e do capital. Assim, em um modelo keynesiano, produzir $ 10.000 em pregos é exatamente o mesmo que produzir um trator de $ 10.000. A escola austríaca argumenta que a criação de bens de capital errados leva a um verdadeiro desperdício econômico e requer reajustes (às vezes dolorosos).

Taxa de juros


A escola austríaca rejeita a visão clássica do capital, que diz que as taxas de juros são determinadas pela oferta e demanda de capital.
A escola austríaca afirma que as taxas de juros são determinadas pela decisão subjetiva dos indivíduos de gastar dinheiro agora ou no futuro. Em outras palavras, as taxas de juros são determinadas pela preferência temporal dos tomadores e credores. Por exemplo, um aumento na taxa de poupança sugere que os consumidores estão adiando o consumo atual e que mais recursos (e dinheiro) estarão disponíveis no futuro.

O efeito da inflação


A escola austríaca acredita que qualquer aumento na oferta de moeda não suportado por um aumento na produção de bens e serviços leva a um aumento nos preços, mas os preços de todos os bens não aumentam simultaneamente.
Os preços de alguns bens podem aumentar mais rapidamente do que outros, levando a uma maior disparidade nos preços relativos dos bens. Por exemplo, Pedro, o encanador, pode descobrir que está ganhando os mesmos dólares por seu trabalho, mas terá de pagar mais ao padeiro Paulo ao comprar o mesmo pão.


As mudanças nos preços relativos tornariam Paulo rico às custas de Pedro.
Mas por que isso acontece assim? Se os preços de todos os bens e serviços aumentassem simultaneamente, isso dificilmente teria importância. Mas os preços dos bens por meio dos quais o dinheiro é injetado no sistema se ajustam antes de outros preços. Por exemplo, se o governo está injetando dinheiro comprando milho, os preços do milho aumentariam antes de outros bens, deixando um rastro de distorção de preços.


(Para leituras relacionadas, consulte:
Como a inflação afeta seu custo de vida .)

Ciclos de negócios


A escola austríaca afirma que os ciclos de negócios são causados ​​por distorções nas taxas de juros devido à tentativa do governo de controlar o dinheiro.
A má alocação de capital ocorre se as taxas de juros forem mantidas artificialmente baixas ou altas pela intervenção do governo. No final das contas, a economia passa por uma recessão.
 


Por que tem que haver uma recessão?
A mão de obra e o investimento empregados em indústrias inadequadas (como construção e reforma durante a crise financeira de 2008) precisam ser redistribuídos para fins economicamente viáveis. Esse ajuste de curto prazo nos negócios faz com que o investimento real caia e o desemprego cresça.


O governo ou o banco central podem tentar contornar a recessão reduzindo as taxas de juros ou apoiando a indústria falida.
Os teóricos austríacos acreditam que isso só causaria mais malinvestimentos e tornaria a recessão ainda pior quando ela realmente acontecer.

Criação de Mercado


A escola austríaca vê o mecanismo de mercado como um processo e não como resultado de um projeto.
As pessoas criam mercados com a intenção de melhorar suas vidas, não por meio de uma decisão consciente. Então, se você deixar um bando de amadores em uma ilha deserta, mais cedo ou mais tarde suas interações levariam à criação de um mecanismo de mercado.

The Bottom Line


A teoria econômica da escola austríaca é baseada na lógica verbal, o que fornece um alívio para a confusão técnica da economia dominante.
Existem diferenças consideráveis ​​com outras escolas, mas ao fornecer uma visão única sobre algumas das questões econômicas mais complexas, a escola austríaca conquistou um lugar permanente no complexo mundo da teoria econômica.