Hardware adia o Facebook revela em meio a reações adversas

Publicado por Javier Ricardo


O Facebook (FB), se recuperando de um escândalo de dados que apagou bilhões de dólares em seu valor de mercado, está adiando o lançamento de seus dispositivos de hardware em sua conferência de desenvolvedores em maio.


Citando pessoas familiarizadas com o assunto, a Bloomberg relatou que a gigante das mídias sociais optou por trabalhar mais internamente para garantir que haja uma troca suficiente no que diz respeito aos dados que os clientes compartilharão com o dispositivo de hardware.
A empresa está enfrentando uma grande reação negativa depois que foi revelado que a Cambridge Analytica acessou as informações de 50 milhões de usuários sem o seu consentimento, e determinou que agora pode não ser o momento de promover dispositivos domésticos conectados à Internet. Os alto-falantes inteligentes que podem suportar comandos de voz, bem como chats de vídeo, não devem ser lançados até este outono, mas o Facebook esperava apresentá-los na conferência. (Veja mais:
Facebook aprovado por menos da metade de todos os americanos: pesquisa )


Antes do último escândalo de dados, que gerou uma série de pesquisas nos Estados Unidos e no Reino Unido e possivelmente resultou na aparição de Mark Zuckerberg, CEO do Facebook no Congresso, o Facebook tinha a ambiciosa meta de se envolver mais na vida cotidiana dos consumidores.
Com dispositivos domésticos conectados à Internet, a gigante da mídia social pretendia obter uma página da Amazon.com Inc. (AMZN) e sua linha de alto-falantes Echo alimentada por Alexa, seu assistente digital ativado por voz.


Mas com as crescentes preocupações sobre o que o Facebook faz com todos os dados que coleta de seus mais de 2 bilhões de usuários ativos, os consumidores podem não ter apetite por um dispositivo de coleta de dados do Facebook.
A Bloomberg observou que em grupos de foco anteriores os consumidores expressaram preocupação em ter a rede de mídia social em suas salas de estar. Adicione o escândalo Cambridge Analytica à mistura e os consumidores ao redor do mundo estão se tornando cada vez mais céticos sobre a segurança de seus dados com o gigante da mídia social. (Consulte também:
Musk exclui páginas do Facebook para Tesla, SpaceX. )


De acordo com uma pesquisa Reuters / Ipsos publicada no domingo, apenas 41% dos americanos agora confiam no Facebook para obedecer às leis que protegem suas informações pessoais.
Enquanto isso, 66% por cento, 62% e 60%, respectivamente, confiam na Amazon.com (AMZN), Alphabet’s Google (GOOG) e Microsoft (MSFT). O Bild am Sonntag, o principal jornal da Alemanha, divulgou sua própria pesquisa nesta semana, que descobriu que 60% dos alemães pensam que o Facebook e as mídias sociais têm um impacto negativo na democracia. Apesar de toda a resistência, a Bloomberg observou que o Facebook ainda planeja trazer os dispositivos ao mercado ainda este ano.