O que, exatamente, é a dívida do consumidor?

Publicado por Javier Ricardo

O que é dívida do consumidor?


A dívida do consumidor consiste em dívidas pessoais que são devidas como resultado da compra de bens que são usados ​​para consumo individual ou familiar.
Dívidas de cartão de crédito, empréstimos estudantis, empréstimos para compra de automóveis, hipotecas e empréstimos salariais são exemplos de dívida do consumidor. Estas dívidas contrastam com outras dívidas que são utilizadas para investimentos na gestão de uma empresa ou dívidas contraídas através de operações governamentais.


Principais vantagens

  • A dívida do consumidor consiste em empréstimos usados ​​para consumo pessoal em oposição a dívidas contraídas por empresas ou através de atividades governamentais.
  • A dívida do consumidor pode ser segmentada em dívida rotativa, que é paga mensalmente e pode ter taxa variável; e dívida não rotativa, paga a taxa fixa.
  • A dívida do consumidor é considerada pelos economistas como uma forma de financiamento abaixo do ideal, pois geralmente vem com altas taxas de juros que podem se tornar difíceis de pagar.
  • O índice de alavancagem do consumidor (CLR) é um indicador econômico que acompanha o nível agregado de dívida do consumidor em um país.

Compreendendo a dívida do consumidor


Os empréstimos ao consumidor podem ser concedidos por um banco, governo federal e cooperativas de crédito e são divididos em duas categorias: dívida rotativa e dívida não rotativa.
A dívida rotativa é liquidada mensalmente, como os cartões de crédito, enquanto a dívida não rotativa é o empréstimo de um montante fixo à vista com pagamentos fixos em um prazo definido. O crédito não rotativo geralmente inclui empréstimos para aquisição de automóveis e empréstimos escolares.

Vantagens e desvantagens da dívida do consumidor


A dívida do consumidor é considerada um meio de financiamento subótimo do ponto de vista financeiro porque as taxas de juros cobradas sobre a dívida, como saldos de cartão de crédito, são extremamente altas quando comparadas às taxas de juros das hipotecas.
Além disso, os itens comprados normalmente não fornecem uma utilidade necessária e não se valorizam, o que poderia justificar a tomada dessa dívida.


Uma visão oposta é que a dívida do consumidor resulta no aumento dos gastos e da produção do consumidor, fazendo com que a economia cresça e acalme o consumo.
Por exemplo, as pessoas pedem empréstimos em estágios iniciais de suas vidas para educação e moradia, e então pagam essa dívida mais tarde na vida, quando estão ganhando uma renda mais alta.


Quando a dívida é usada para educação, pode ser vista como um meio para um fim.
A educação possibilita empregos com melhor remuneração no futuro, o que cria uma trajetória ascendente tanto para o indivíduo quanto para a economia.


Independentemente dos prós e contras, o endividamento do consumidor nos Estados Unidos está aumentando devido à facilidade de obtenção de financiamento compatível com o alto nível das taxas de juros.
Em setembro de 2020, a dívida do consumidor era de US $ 4,16 trilhões, com US $ 3,17 trilhões em dívida não rotativa e US $ 988,6 bilhões em dívida rotativa.
 Se não for administrada de maneira adequada, a dívida do consumidor pode ser financeiramente esmagadora e afetar adversamente a pontuação de crédito de um indivíduo, prejudicando sua capacidade de pedir emprestado no futuro.


1:06


Priorizando a Dívida

A taxa de alavancagem do consumidor


O índice de alavancagem do consumidor (CLR) mede o montante da dívida que o consumidor americano médio possui, em comparação com sua renda disponível.
A fórmula é a seguinte:

Taxa de alavancagem do consumidor

Fórmula de relação de alavancagem do consumidor.
Investopedia


A dívida total das famílias é derivada do relatório do Federal Reserve, enquanto a renda pessoal disponível é informada pelo US Bureau of Economic Analysis.
 O CLR tem sido usado como um teste de tornassol para a saúde da economia dos EUA, junto com outros indicadores, como o mercado de ações, os níveis de estoque e a taxa de desemprego.


A nível individual, o rácio de alavancagem do consumidor é aconselhado entre 10% e 20% do salário líquido do indivíduo.
Acima de 20% é um indicador de problemas urgentes de endividamento.

Dívida do consumidor e empréstimos predatórios


A dívida do consumidor é frequentemente associada a empréstimos predatórios, amplamente definidos pelo FDIC como “imposição de termos de empréstimo injustos e abusivos aos mutuários”.
 Os empréstimos predatórios muitas vezes visam grupos com menos acesso e compreensão de formas mais tradicionais de financiamento. Os credores predatórios podem cobrar indevidamente altas taxas de juros e exigem garantias significativas no caso provável de inadimplência de um tomador.