O tesoureiro corporativo atua como gerente de risco financeiro

Publicado por Javier Ricardo


Os tesoureiros atuam como gerentes de risco financeiro que buscam proteger o valor de uma empresa dos riscos financeiros que ela enfrenta em suas atividades de negócios.
Como esses riscos podem surgir de muitas fontes, a função requer um entendimento de muitas áreas de negócios e a capacidade de se comunicar com uma variedade de profissionais financeiros. Outrora uma ramificação do departamento de contabilidade, a gestão de tesouraria corporativa evoluiu para o seu próprio departamento empresarial e corpo profissional.

Gestão de risco


Os tesoureiros gerenciam vários riscos importantes relacionados a mudanças nas taxas de juros, crédito, moeda, commodities e operações.
As empresas enfrentam alguns ou todos esses riscos em vários graus. Os mais comuns incluem:

Risco de liquidez
Talvez o risco mais importante que um tesoureiro deve administrar seja o risco de liquidez: a empresa ficando sem dinheiro devido a receitas insuficientes, despesas excessivas ou incapacidade de acessar fundos de bancos e outras fontes externas. A incapacidade de cumprir as obrigações de pagamento na data devida pode marcar o fim de uma empresa se seus credores venderem seus ativos para pagar dívidas corporativas.

Risco de crédito
O caixa excedente pode ser investido para ganhar juros, e o tesoureiro deve ter certeza de que os títulos emitidos ou segurados são financeiramente sólidos e dignos de crédito. Uma maneira de fazer isso é verificar a classificação de crédito do emissor, que fornece uma avaliação independente da probabilidade de que uma terceira parte pague no prazo e integralmente conforme o esperado. O tesoureiro também deve estar confiante de que as contrapartes dos instrumentos financeiros usados ​​para gerenciar riscos (como swaps de taxas de juros) terão o desempenho esperado.

Riscos cambiais
Além do risco de crédito, as empresas exportadoras enfrentam o risco de transação cambial quando convertem os resultados das vendas externas para as moedas nacionais. As empresas multinacionais também enfrentam o risco de conversão em relatórios financeiros quando os valores dos ativos e passivos de suas subsidiárias estrangeiras flutuam após a conversão para uma única moeda nacional. Os investidores e analistas podem ver as movimentações cambiais que causam uma queda no valor dos ativos estrangeiros consolidados e nos lucros como um problema, potencialmente causando a queda do preço das ações da empresa.


Outro tipo de risco cambial, que os tesoureiros podem achar mais difícil de administrar, ocorre quando uma empresa concorrente de outro país experimenta uma conversão de moeda mais favorável.
Por exemplo, as vendas de dois exportadores de países diferentes, ambos vendendo mercadorias para um importador japonês, dependerão em parte de como suas respectivas moedas se movem em relação ao iene japonês. Movimentos táticos para se manter competitivo, como a relocação de fábricas para corresponder à base de custo monetária do concorrente, podem ter ramificações importantes. A alta administração, com a contribuição do tesoureiro, só implementaria tal movimento após extensa discussão.

Risco de taxa de juros A
maioria das empresas precisa de empréstimos para financiar operações, como a compra de matérias-primas, maquinários ou instalações. Tomar empréstimos a taxas de juros variáveis ​​permite que as empresas paguem menos se as taxas de juros de mercado caírem, mas aumenta seus custos se as taxas subirem. Se uma empresa não pagar juros por falta de caixa, ela pode entrar em uma crise de liquidez que pode prejudicar sua capacidade de tomar empréstimos no futuro ou aumentá-los apenas com taxas de juros mais altas que reflitam seu elevado risco de crédito para os credores.

Risco operacional
Os riscos financeiros discutidos acima são riscos externos. O risco operacional é um risco de tesouraria interna que reflete controles operacionais inadequados que podem levar a uma perda de valor da empresa. Um exemplo de controles inadequados pode ser se um corretor do tesouro pede dinheiro emprestado ao abrigo de um contrato de empréstimo da empresa, aparentemente para uma finalidade comercial, mas transfere os rendimentos para a sua própria conta bancária porque o tesoureiro é capaz de realizar atividades de negociação e transferência de fundos. Em uma tesouraria bem controlada, tais funções seriam segregadas e as tentativas de realizar ambas pelo mesmo indivíduo seriam detectadas imediatamente.

Políticas de Risco


Um tesoureiro formulará um conjunto de políticas aprovadas pelo conselho que definem os métodos permitidos para gerenciar os riscos acima e os poderes discricionários do tesoureiro e de outro pessoal autorizado.
Essas políticas variam de empresa para empresa. Nem todas as empresas, por exemplo, permitem que os tesoureiros usem derivativos ou deixem os riscos desprotegidos, ou podem apenas permitir tais práticas dentro de limites e prazos definidos.


As ações do departamento de tesouraria e sua conformidade com as políticas de tesouraria devem ser avaliadas de forma independente e regular pelo departamento de auditoria interna e por um comitê de tesouraria formado pela alta administração, incluindo o tesoureiro.
Esse comitê, ou um comitê de ativos e passivos (ALCO), também revisará e discutirá regularmente os riscos financeiros em todos os ativos e passivos da empresa e concordará com as ações apropriadas para gerenciá-los ou transferi-los. Os ALCOs geralmente delegam a tarefa de executar as ações acordadas ao tesoureiro e sua equipe.


Quando não há uma única solução óbvia para gerenciar um risco financeiro, o tesoureiro deve ser capaz de pesar os prós e os contras de um curso de ação.
As decisões podem envolver a consulta de especialistas internos e externos relevantes e a realização de análises de dados e, possivelmente, análises de cenários para recomendar um curso de ação.

Desenvolvimento profissional


Tradicionalmente, muitos tesoureiros eram treinados como contadores e realizavam atividades de tesouraria como um desdobramento de suas funções contábeis.
No entanto, com o desenvolvimento e a proliferação de instrumentos financeiros e a globalização dos mercados financeiros e das empresas, a gestão de tesouraria tornou-se mais especializada, complexa e demorada. Grandes empresas e multinacionais estabelecem departamentos de tesouraria como unidades autônomas de gestão de risco, e a gestão de tesouraria corporativa é agora reconhecida como uma profissão distinta da contabilidade. Muitos países têm órgãos profissionais especializados, como a Associação de Tesoureiros Corporativos do Reino Unido, bem como programas de educação especializada.

Especialista e Generalista
Embora um tesoureiro seja essencialmente um especialista em gestão de risco, o desempenho é aprimorado por ter um conhecimento prático de várias funções de suporte corporativo associadas, como direito, impostos, seguros, contabilidade, economia e bancos. Nessas áreas, o tesoureiro corporativo também é generalista.


Como os riscos financeiros vêm de várias fontes dentro de uma empresa (como risco de taxa de juros em empréstimos, risco de crédito em investimentos ou risco cambial em faturas de devedores), um tesoureiro deve compreender a natureza e a dinâmica financeira de cada um dos ativos e passivos de uma empresa em muitos departamentos diferentes, ressaltando o benefício de uma ampla educação financeira.

Habilidades interpessoais
Além de consultar colegas internos relevantes, um tesoureiro geralmente executará as ações para gerenciar riscos financeiros somente após consultar especialistas externos, como banqueiros, advogados, agências de classificação de crédito, consultores fiscais e contábeis e auditores. Uma olhada em qualquer lápide confirmará a ampla gama de especialistas envolvidos no aumento de dívidas ou patrimônio, por exemplo. Fortes habilidades interpessoais e de comunicação são, portanto, um atributo pessoal importante para um tesoureiro.

Gerente sênior
O impacto dos riscos financeiros no valor e na sobrevivência da empresa pode ser catastrófico e repentino. O tesoureiro, junto com talvez uma pequena equipe consistindo de um contador de tesouraria, gerente de caixa, analista de tesouraria e corretor, são incumbidos de uma grande responsabilidade. Como tal, um tesoureiro é geralmente um membro da equipe de gerenciamento sênior de uma empresa, geralmente reportando-se diretamente ao CFO ou mesmo comandando uma cadeira no conselho de administração.

The Bottom Line


Os tesoureiros estão cada vez mais assumindo papéis mais estratégicos nas empresas.
Eles foram além de gerenciar o capital de giro para se envolverem cada vez mais com o trabalho com a alta administração da empresa para gerenciar riscos e aumentar os resultados financeiros.