Odebrecht: o maior caso de corrupção da história

Publicado por Javier Ricardo


É difícil exagerar o impacto que a Odebrecht teve no clima empresarial e político de muitas nações ao redor do mundo.
Infelizmente, a construtora brasileira que se tornou um gigante internacional se tornou sinônimo de suborno, corrupção e escândalo, gerando ondas de protesto em todo o mundo. De acordo com o Business Insider, a empresa usou várias práticas ilícitas para garantir cerca de 100 projetos em 12 países, terminando com cerca de US $ 3,3 bilhões em ganhos ilícitos no processo. Embora essa seja uma soma enorme de dinheiro, o impacto mais duradouro da Odebrecht pode ser sobre os países e comunidades individualmente afetados por suas atividades; na sequência de revelações sobre corrupção na empresa,

História da Empresa


A Odebrecht foi fundada no Brasil em 1944 como construtora.
Durante décadas, a empresa continuou a se desenvolver, tornando-se uma empresa internacional no final dos anos 1970 e estabelecendo uma holding poucos anos depois.


Segundo o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, a Odebrecht começou a se envolver com o suborno de funcionários apenas em 2001, após mais de 50 anos de história.
Foi em 2006 quando a prática de subornar funcionários se tornou especialmente comum em toda a empresa; na verdade, a Odebrecht teria criado uma divisão inteira dedicada ao pagamento de subornos e outras transações corruptas. Essa divisão, chamada de Divisão de Operações de Estrutura, tinha um sistema de computador separado do restante da empresa.

Construção de infraestrutura corrompida


Além desse sistema computacional complexo e separado, a Odebrecht também passou a abrir contas offshore.
Por volta de 2010, a empresa supostamente comprou uma filial de um banco austríaco em Antigua para ajudar a simplificar ainda mais essas atividades ilegais. Graças a esse sistema complicado e bem desenvolvido, a Odebrecht conseguiu pagar cerca de US $ 788 milhões em subornos.

Colapso do sistema


Autoridades brasileiras iniciaram uma armação chamada Operação Lava Jato em 2014 envolvendo a Odebrecht e a petrolífera brasileira Petrobras.
Por meio dessa operação, os dirigentes determinaram que a Odebrecht participasse de licitações fraudulentas, processo em que várias empresas aparentemente competiriam por projetos. Na verdade, porém, a Odebrecht supervisionava o sistema, manipulando o processo para seu próprio benefício.


Autoridades de vários países ainda estão trabalhando para esclarecer os detalhes das atividades ilegais da Odebrecht.
Ao longo do caminho, a investigação descobriu evidências de que muitos políticos e figuras públicas proeminentes estavam envolvidos. De acordo com o promotor principal Deltan Dallagnol, citado em uma reportagem da BBC, “este caso envolveu quase um terço dos senadores do Brasil e quase metade de todos os governadores do Brasil”. Até o presidente do Peru e o vice-presidente do Equador foram implicados, tendo o primeiro renunciado e o segundo agora na prisão.


Onde quer que o caso Odebrecht termine, provavelmente só envolverá mais gente e mais atividades ilegais à medida que o drama se desenrola.