Os poderes preditivos da curva de rendimento de títulos

Publicado por Javier Ricardo


Se você investir em ações, fique de olho no mercado de títulos.
Se você investe em imóveis, deve ficar de olho no mercado de títulos. Se você investir em títulos ou ETFs de títulos, definitivamente deve ficar de olho no mercado de títulos.


O mercado de títulos é um grande preditor da inflação e da direção da economia, que afetam diretamente os preços de tudo, desde ações e imóveis a eletrodomésticos e alimentos.


Uma compreensão básica das taxas de juros de curto prazo vs. longo prazo e da curva de rendimento pode ajudá-lo a tomar uma ampla gama de decisões financeiras e de investimento.

Taxas de juros e rendimentos de títulos


Os termos taxas de juros e rendimentos de títulos às vezes são usados ​​indistintamente, mas há uma diferença.


Uma taxa de juros é a porcentagem que deve ser paga para se emprestar dinheiro.
Você paga juros para pedir dinheiro emprestado e ganha juros para emprestar dinheiro quando investe em um título ou economiza em um CD.


Principais vantagens

  • Uma curva de rendimento normal mostra que os rendimentos dos títulos aumentam constantemente com o tempo até seu vencimento, mas se achatando um pouco nos prazos mais longos.
  • Uma curva de rendimento íngreme não se estabiliza no final. Isso sugere uma economia em crescimento e, possivelmente, uma inflação mais alta por vir.
  • Uma curva de rendimento plana mostra pouca diferença nos rendimentos dos títulos de mais curto prazo para os de mais longo prazo. Isso indica incerteza.
  • A rara curva de rendimento invertida sinaliza problemas futuros. Os títulos de curto prazo pagam melhor do que os de longo prazo.


A maioria dos títulos tem uma taxa de juros que determina o pagamento de seus cupons, mas o verdadeiro custo de tomar emprestado ou investir em títulos é determinado por seus rendimentos atuais.


O rendimento de um título é a taxa de desconto que pode ser usada para tornar o valor presente de todos os fluxos de caixa de um título igual ao seu preço.
O preço de um título é a soma do valor presente de todo o fluxo de caixa que será recebido do investimento.


O retorno de um título é comumente medido como rendimento até o vencimento (YTM).
Esse é o retorno anualizado total que o investidor receberá, supondo que o título seja mantido até o vencimento e os pagamentos de cupom sejam reinvestidos.


O YTM, portanto, fornece uma medida padrão de retorno anual para um título específico.

Curto prazo vs. longo prazo


Os títulos vêm com uma variedade de períodos de vencimento de apenas um mês a 30 anos.
Normalmente, quanto mais longo for o prazo, melhor deve ser a taxa de juros. Portanto, ao falar de taxas de juros (ou rendimentos), é importante entender que existem taxas de juros de curto prazo, taxas de juros de longo prazo e muitos pontos intermediários.


Embora todas as taxas de juros estejam correlacionadas, elas nem sempre se movem no mesmo ritmo.
As taxas de curto prazo podem cair, enquanto as taxas de juros de longo prazo podem subir, ou vice-versa.


Compreender as relações atuais entre as taxas de juros de curto e longo prazo (e todos os pontos intermediários) o ajudará a tomar decisões de investimento informadas.

Taxas de juros de curto prazo


As referências para as taxas de juros de curto prazo são definidas pelo banco central de cada nação.
Nos EUA, o Comitê de Mercado Aberto do Federal Reserve Board (FOMC) define a taxa de fundos federais, a referência para todas as outras taxas de juros de curto prazo.


O FOMC aumenta ou diminui a taxa dos fundos do Fed periodicamente para encorajar ou desencorajar empréstimos por parte de empresas e consumidores.
Seu objetivo é manter a economia equilibrada, nem muito quente nem muito fria.


A atividade de endividamento em geral tem um efeito direto sobre a economia.
Se o FOMC descobrir que a atividade econômica está desacelerando, ele pode reduzir a taxa dos fundos federais para aumentar os empréstimos e estimular a economia. No entanto, também se preocupa com a inflação. Se mantiver as taxas de juros de curto prazo muito baixas por muito tempo, corre o risco de inflamar.


O mandato do FOMC é promover o crescimento econômico por meio de taxas de juros baixas e, ao mesmo tempo, conter a inflação.
Equilibrar esses objetivos não é fácil.

Taxas de juros de longo prazo


As taxas de juros de longo prazo são determinadas pelas forças do mercado.
Principalmente, essas forças atuam no mercado de títulos.


Se o mercado de títulos sentir que a taxa de fundos federais está muito baixa, as expectativas de inflação futura aumentarão.
As taxas de juros de longo prazo aumentarão para compensar a perda percebida de poder de compra associada ao fluxo de caixa futuro de um título ou empréstimo.


Por outro lado, se o mercado acredita que a taxa dos fundos federais está muito alta, ocorre o contrário.
As taxas de juros de longo prazo diminuem porque o mercado acredita que as taxas de juros cairão no futuro.

Lendo a curva de rendimento


O termo “curva de rendimento” refere-se aos rendimentos de letras, notas e obrigações do Tesouro dos EUA por ordem, do vencimento mais curto ao mais longo.
A curva de rendimentos descreve as formas das estruturas a termo das taxas de juros e seus respectivos tempos até o vencimento em anos.


A curva pode ser exibida graficamente, com o tempo até o vencimento localizado no eixo xe o rendimento até o vencimento localizado no eixo y do gráfico.


Por exemplo, treasury.gov exibiu a seguinte curva de rendimento para títulos do Tesouro dos EUA em 11 de dezembro de 2015:

Curva de rendimento para títulos do Tesouro dos EUA

<img data-srcset="https://www.investopedia.com/thmb/t8TLByU2ZzF1B-c8nyRb3n3IlAs=/300×0/filters:no_upscale():max_bytes(150000):strip_icc()/dotdash_Final_The_Predictive_Powers_of_the_Bond_Yield_Curve_Dec_2020-01-5a077058fc3d4291bed41cfdd054cadd.jpg 300w, https://www.investopedia.com/thmb/-QgVRBL86qa_lIS5jiynl4rOKO4=/1624×0/filters:no_upscale():max_bytes(150000):strip_icc()/dotdash_Final_The_Predictive_Powers_of_the_Bond_Yield_Curve_Dec_2020-01-5a077058fc3d4291bed41cfdd054cadd.jpg 1624w, https://www.investopedia.com/thmb/oxpz0rqjU5kGQmuVVbfw6oAlTXg=/2948×0/filters:no_upscale():max_bytes(150000):strip_icc()/dotdash_Final_The_Predictive_Powers_of_the_Bond_Yield_Curve_Dec_2020-01-5a077058fc3d4291bed41cfdd054cadd.jpg 2948w, https://www.investopedia.com/thmb/gKvBZ30mewqYrSiyA8YKgX2bw0U=/5596×0/filters:no_upscale():max_bytes(150000):strip_icc()/dotdash_Final_The_Predictive_Powers_of_the_Bond_Yield_Curve_Dec_2020-01-5a077058fc3d4291bed41cfdd054cadd.jpg 5596w" data-src="https://www.investopedia.com/thmb/raMDWTs-IVRH87S6oU_U6R0qbB4=/5596×3794/filters:no_upscale():max_bytes(150000):strip_icc()/dotdash_Final_The_Predictive_Powers_of_the_Bond_Yield_Curve_Dec_2020-01-5a077058fc3d4291bed41cfdd054cadd.jpg" src="//:0" data-placeholder="default" alt="Imagem" class="lazyload" data-click-tracked="true" data-img-lightbox="true" data-owner="

Image by Sabrina Jiang © Investopedia 2020

” data-caption=”” data-expand=”300″ id=”mntl-sc-block-image_1-0-52″ data-tracking-container=”true”>

Imagem de Sabrina Jiang © Investopedia 2020



A curva de rendimento acima mostra que os rendimentos são mais baixos para títulos de vencimento mais curto e aumentam continuamente à medida que os títulos se tornam mais maduros.


Quanto mais curto for o prazo, mais podemos esperar que os rendimentos se movam em sincronia com a taxa de fundos federais.
Observar os pontos mais distantes da curva de juros dá uma ideia melhor do consenso do mercado sobre a atividade econômica futura e as taxas de juros.


Abaixo está um exemplo da curva de rendimento de janeiro de 2008.

US Treasuries

Contas Data de Maturidade Desconto / Rendimento Desconto / Alteração de rendimento
3 meses 04/03/2008 3,12 / 3,20 0,03 / -0,027
6 meses 03/07/2008 3,10 / 3,21 0,06 / -0,074
Notas / obrigações Cupom Data de Maturidade Preço / rendimento atual Alteração de preço / rendimento
2 anos 3.250 31/12/2009 101-011 / 2 / 2.70 0-06 +/- 0,107
5 anos 3,625 31/12/2012 102-04 + /3,15 0-14 3/4 / 0,100
10 anos 4,250 15/11/2017 103-08 / 3,85 0-11 1/2 / -0,044
30 anos 5.000 15/05/2037 110-20 / 4.35 0-05 1/2 / -0,010
<img data-srcset="https://www.investopedia.com/thmb/JqHD5c7qbfpW8s7XpvdcRP8ZMms=/300×0/filters:no_upscale():max_bytes(150000):strip_icc()/dotdash_Final_The_Predictive_Powers_of_the_Bond_Yield_Curve_Dec_2020-02-2c724203ef1e41ce82291df3676bb392.jpg 300w, https://www.investopedia.com/thmb/BcqXNviZyPbP8-IK8o1Z6G1zZKw=/1624×0/filters:no_upscale():max_bytes(150000):strip_icc()/dotdash_Final_The_Predictive_Powers_of_the_Bond_Yield_Curve_Dec_2020-02-2c724203ef1e41ce82291df3676bb392.jpg 1624w, https://www.investopedia.com/thmb/rs2twN93QoAkJ4geZ3mw-QOzxdM=/2948×0/filters:no_upscale():max_bytes(150000):strip_icc()/dotdash_Final_The_Predictive_Powers_of_the_Bond_Yield_Curve_Dec_2020-02-2c724203ef1e41ce82291df3676bb392.jpg 2948w, https://www.investopedia.com/thmb/5AQG36vPLYCppwby2PXA_Hc96GM=/5596×0/filters:no_upscale():max_bytes(150000):strip_icc()/dotdash_Final_The_Predictive_Powers_of_the_Bond_Yield_Curve_Dec_2020-02-2c724203ef1e41ce82291df3676bb392.jpg 5596w" data-src="https://www.investopedia.com/thmb/Xmkh-tlwC6SVsbmtpgy2oC5NXcQ=/5596×3005/filters:no_upscale():max_bytes(150000):strip_icc()/dotdash_Final_The_Predictive_Powers_of_the_Bond_Yield_Curve_Dec_2020-02-2c724203ef1e41ce82291df3676bb392.jpg" src="//:0" data-placeholder="default" alt="Imagem" class="lazyload" data-click-tracked="true" data-img-lightbox="true" data-owner="

Image by Sabrina Jiang © Investopedia 2020

” data-caption=”Yield Curve January 2008.” data-expand=”300″ id=”mntl-sc-block-image_1-0-64″ data-tracking-container=”true”>

Curva de rendimento janeiro de 2008.

Imagem de Sabrina Jiang © Investopedia 2020



A inclinação da curva de rendimento nos diz como o mercado de títulos espera que as taxas de juros de curto prazo se movam no futuro, com base nas expectativas dos corretores de títulos sobre a atividade econômica e a inflação.


Essa curva de rendimento é “invertida na ponta curta”.
Isso sugere que os comerciantes esperam que as taxas de juros de curto prazo caiam nos próximos dois anos. Eles estão esperando uma desaceleração na economia dos EUA.

A curva de rendimento é mais bem usada para ter uma ideia da direção da economia, não para tentar fazer uma previsão exata.

Tipos de curvas de rendimento


Existem várias formações distintas de curvas de rendimento: normal (com uma variação “acentuada”), invertida e plana.
Todos são mostrados no gráfico abaixo.

<img data-srcset="https://www.investopedia.com/thmb/IOwaTFr-I68n1gIFspCYXZrARP4=/300×0/filters:no_upscale():max_bytes(150000):strip_icc()/dotdash_Final_The_Predictive_Powers_of_the_Bond_Yield_Curve_Dec_2020-03-2eb174d7c61d4bca88aaaa03b0dba479.jpg 300w, https://www.investopedia.com/thmb/5JIEnfBVdM40IefloTyxtR1zkCk=/1624×0/filters:no_upscale():max_bytes(150000):strip_icc()/dotdash_Final_The_Predictive_Powers_of_the_Bond_Yield_Curve_Dec_2020-03-2eb174d7c61d4bca88aaaa03b0dba479.jpg 1624w, https://www.investopedia.com/thmb/s0EnmbcW5gOG5-1RrGoUyNNkJd0=/2948×0/filters:no_upscale():max_bytes(150000):strip_icc()/dotdash_Final_The_Predictive_Powers_of_the_Bond_Yield_Curve_Dec_2020-03-2eb174d7c61d4bca88aaaa03b0dba479.jpg 2948w, https://www.investopedia.com/thmb/OHxpJ1zfBa89M_DnLQCYuegRg_g=/5596×0/filters:no_upscale():max_bytes(150000):strip_icc()/dotdash_Final_The_Predictive_Powers_of_the_Bond_Yield_Curve_Dec_2020-03-2eb174d7c61d4bca88aaaa03b0dba479.jpg 5596w" data-src="https://www.investopedia.com/thmb/on-uU5plA7SEsI6PdMOQnR6kxXE=/5596×3242/filters:no_upscale():max_bytes(150000):strip_icc()/dotdash_Final_The_Predictive_Powers_of_the_Bond_Yield_Curve_Dec_2020-03-2eb174d7c61d4bca88aaaa03b0dba479.jpg" src="//:0" data-placeholder="default" alt="Imagem" class="lazyload" data-click-tracked="true" data-img-lightbox="true" data-owner="

Image by Sabrina Jiang © Investopedia 2020

” data-caption=”” data-expand=”300″ id=”mntl-sc-block-image_1-0-74″ data-tracking-container=”true”>

Imagem de Sabrina Jiang © Investopedia 2020


Uma curva de rendimento normal


Como a linha laranja no gráfico acima indica, uma curva de rendimento normal começa com rendimentos baixos para títulos de vencimento mais baixo e, em seguida, aumenta para títulos com vencimento mais alto.
Uma curva de rendimento normal se inclina para cima. Quando os títulos atingem os vencimentos mais elevados, o rendimento se achatou e permanece consistente.


Este é o tipo mais comum de curva de juros.
Os títulos de vencimento mais longo geralmente têm um rendimento mais alto até o vencimento do que os títulos de prazo mais curto.


Por exemplo, suponha que um título de dois anos oferece um rendimento de 1%, um título de cinco anos oferece um rendimento de 1,8%, um título de 10 anos oferece um rendimento de 2,5%, um título de 15 anos oferece um rendimento de 3,0 %, e um título de 20 anos oferece um rendimento de 3,5%.
Quando esses pontos são conectados em um gráfico, eles exibem a forma de uma curva de rendimento normal.


Essa curva de rendimento implica condições econômicas estáveis ​​e deve prevalecer ao longo de um ciclo econômico normal.

Curva de rendimento íngreme


A linha azul no gráfico mostra uma curva de rendimento acentuada.
Tem a forma de uma curva de rendimento normal com duas diferenças principais. Em primeiro lugar, os rendimentos de maturidade mais elevados não se estabilizam à direita, mas continuam a subir. Em segundo lugar, os rendimentos são geralmente mais altos em comparação com a curva normal em todos os vencimentos.


Essa curva implica uma economia em crescimento caminhando para uma retomada positiva.
Essas condições são acompanhadas por uma inflação mais alta, que muitas vezes resulta em taxas de juros mais altas.


Os credores tendem a exigir rendimentos elevados, que são refletidos pela curva de rendimentos íngreme.
Títulos de duração mais longa tornam-se arriscados, então os rendimentos esperados são mais altos.

Curva de rendimento plana


Uma curva de rendimento plana, também chamada de curva de rendimento curvada, mostra rendimentos semelhantes em todos os vencimentos.
Alguns vencimentos intermediários podem ter rendimentos ligeiramente mais elevados, o que causa um ligeiro aumento ao longo da curva plana. Essas lombadas geralmente são para vencimentos de médio prazo, de seis meses a dois anos.


Como a palavra plana sugere, há pouca diferença no rendimento até o vencimento entre os títulos de curto e longo prazo.
Um título de dois anos pode oferecer um rendimento de 6%, um título de cinco anos 6,1%, um título de 10 anos 6% e um título de 20 anos 6,05%.


Essa curva de rendimento plana ou curvada implica uma situação econômica incerta.
Pode ocorrer no final de um período de alto crescimento econômico que está levando à inflação e temores de desaceleração. Pode ocorrer em momentos em que se espera que o banco central aumente as taxas de juros.


Em tempos de grande incerteza, os investidores exigem rendimentos semelhantes em todos os prazos.

Curva de Rendimento Invertida


A forma da curva de juros invertida, mostrada na linha amarela, é oposta à de uma curva de juros normal.
Ele desce.


Uma curva de rendimento invertida significa que as taxas de juros de curto prazo excedem as taxas de longo prazo.


Um título de dois anos pode oferecer um rendimento de 5%, um título de cinco anos um rendimento de 4,5%, um título de 10 anos um rendimento de 4% e um título de 15 anos um rendimento de 3,5%.


Uma curva de rendimento invertida é rara, mas é fortemente sugestiva de uma desaceleração econômica severa.
Historicamente, o impacto de uma curva de rendimento invertida é alertar que uma recessão está chegando.

Precisão histórica da curva de rendimento


As curvas de rendimento mudam de forma à medida que a situação econômica evolui, com base na evolução de muitos fatores macroeconômicos, como taxas de juros, inflação, produção industrial, PIB e balança comercial. 


Embora a curva de rendimento não deva ser usada para prever números exatos de taxas de juros e rendimentos, acompanhar de perto suas mudanças ajuda os investidores a antecipar e se beneficiar das mudanças de curto a médio prazo na economia.


As curvas normais existem por longos períodos, enquanto uma curva de rendimento invertida é rara e pode não aparecer por décadas.
As curvas de escoamento que mudam para formatos planos e íngremes são mais frequentes e precederam com segurança os ciclos econômicos esperados.


Por exemplo, a curva de juros de outubro de 2007 se achatou e uma recessão global se seguiu.
No final de 2008, a curva tornou-se íngreme, o que indicava com precisão uma fase de crescimento da economia após a redução da oferta de moeda pelo Fed.

Usando a curva de rendimento para investir


Interpretar a inclinação da curva de rendimento é útil para tomar decisões de investimento de cima para baixo.
para uma variedade de investimentos.


Se você investir em ações e a curva de rendimento indicar que você deve esperar uma desaceleração econômica nos próximos dois anos, você pode considerar transferir seu dinheiro para empresas que apresentam bom desempenho em tempos de baixa economia, como o setor de bens de consumo.
Se a curva de rendimento indica que as taxas de juros devem aumentar nos próximos dois anos, o investimento em empresas cíclicas, como fabricantes de bens de luxo e empresas de entretenimento, faz sentido.


Os investidores imobiliários também podem usar a curva de rendimento.
Embora uma desaceleração da atividade econômica possa ter efeitos negativos sobre os preços atuais do mercado imobiliário, uma drástica inclinação da curva de juros, indicando uma expectativa de inflação, pode ser interpretada como um sinal de que os preços aumentarão no futuro próximo.


Claro, também é relevante para investidores de renda fixa em títulos, ações preferenciais ou CDs.
Quando a curva de rendimento está se tornando íngreme – sinalizando alto crescimento e alta inflação -, investidores experientes tendem a vender títulos de longo prazo. Eles não querem ficar presos a um retorno cujo valor será corroído com o aumento dos preços. Em vez disso, eles compram títulos de curto prazo.


Se a curva de juros está se achatando, isso aumenta os temores de alta inflação e recessão.
Investidores inteligentes tendem a assumir posições vendidas em títulos de curto prazo e fundos negociados em bolsa (ETFs) e operar comprados em títulos de longo prazo.


Você pode até usar a inclinação da curva de juros para ajudar a decidir se é hora de comprar um carro novo.
Se a atividade econômica diminuir, as vendas de carros novos provavelmente diminuirão e os fabricantes poderão aumentar seus descontos e outros incentivos de vendas.


Comparar contas


×

As ofertas que aparecem nesta tabela são provenientes de parcerias das quais a Investopedia recebe remuneração.

Fornecedor

Nome

Descrição