Os seguradores garantem a venda de um problema de IPO completo?

Publicado por Javier Ricardo


Quando uma jovem empresa decide vender ações em uma oferta pública inicial (IPO), ela entra em contato com um banco de investimento para gerenciar o processo.
Esta é a equipe de subscritores que ajudará a determinar o preço da ação, descrevê-la e comercializá-la para investidores em potencial, documentar suas finanças, enviar os documentos legais necessários e, finalmente, lançar o IPO em uma bolsa de valores.


Principais vantagens

  • Em uma transação comprada, o subscritor compra todas as ações disponíveis para revenda a seus clientes.
  • Em uma transação de melhor esforço, o subscritor não se responsabiliza pela venda de todas as ações e cobra uma taxa fixa por seus serviços.
  • Um IPO pode envolver vários subscritores, com um assumindo o papel de liderança na preparação e lançamento das ações.


O subscritor pode ou não dar garantias quanto ao sucesso da venda de todas as ações disponibilizadas no IPO.

Compreendendo o papel do subscritor


Cada negócio varia, especialmente na quantidade de risco que o subscritor concorda em assumir e como o subscritor será compensado.
Os dois tipos mais comuns de subscrição são acordos comprados e acordos de melhor esforço.

  • Em uma transação comprada, o subscritor compra toda a emissão do IPO e a revende a seus clientes, que podem ser principalmente grandes investidores institucionais. A remuneração do subscritor é a diferença entre o preço que o subscritor paga pelas ações e o preço que recebe quando as revende. Nesse caso, os subscritores assumem todo o risco de vender a emissão de ações. Eles querem encontrar compradores para toda a nova emissão, em vez de ficar com as ações não vendidas.
  • Em uma transação de melhor esforço, o subscritor não pode comprar nenhuma das ações do IPO. Apenas garante que fará “todos os esforços” para vender a emissão ao público investidor ao melhor preço possível. Ao contrário de um negócio comprado, não há consequências para o subscritor se toda a emissão não for vendida. É a companhia emissora que ficará paralisada com as ações não vendidas. Como há menos risco envolvido, os ganhos do subscritor são limitados, mesmo se a emissão vender bem. Nesse caso, o segurador é compensado com uma taxa fixa.


Menos comumente, existe o acordo “tudo ou nada”.
A empresa e seu subscritor concordam que o IPO será cancelado se todas as ações não forem vendidas.

Quem são os subscritores


Os subscritores de IPOs são alguns dos maiores nomes globais do setor bancário e de investimentos.
Eles incluem Credit Suisse, JPMorgan e Merrill Lynch, para citar alguns.


Um IPO geralmente envolve mais de um subscritor, com um subscritor principal na função mais proeminente.
Esse é o “bookrunner”. Os outros subscritores tornam-se “co-gestores” com menores parcelas de responsabilidade pelo sucesso do IPO e menores percentagens dos rendimentos.