Por dentro dos acordos de cavalheiros

Publicado por Javier Ricardo

O que é um acordo de cavalheiros?


Um acordo de cavalheiros é um acordo ou transação informal, geralmente não escrito, respaldado apenas pela integridade da contraparte para realmente cumprir seus termos.
Um acordo como este é geralmente informal, feito oralmente e não é legalmente vinculativo.


Apesar de sua natureza informal, a violação de um acordo de cavalheiros pode ter um efeito negativo nas relações comerciais se uma das partes decidir renegar sua promessa.
Um acordo de cavalheiros também pode ser chamado de “acordo de cavalheiros” e pode ou não ser consumado por um aperto de mão.


Principais vantagens

  • Os acordos de cavalheiros são acordos informais e não escritos entre duas partes para realizar uma transação ou outro compromisso.
  • Esses acordos não são juridicamente vinculativos, mas, em vez disso, são respaldados pela integridade, pelas normas sociais e pela pressão dos pares dos envolvidos e de suas redes sociais.
  • Apesar de seu status informal, os acordos de cavalheiros são comuns nos negócios e no comércio há séculos.

Compreendendo os acordos de cavalheiros


Um acordo de cavalheiros, sendo mais uma questão de honra e etiqueta, depende da tolerância de duas ou mais partes para o cumprimento de obrigações faladas ou não.
Ao contrário de um contrato vinculativo ou acordo legal, não há reparação administrada pelo tribunal se um acordo de cavalheiros for quebrado.


Acordos de cavalheiros têm sido feitos comumente no comércio e nas relações internacionais, bem como na maioria dos setores.
Os acordos de cavalheiros prevaleciam especialmente no nascimento da era industrial e bem na primeira metade dos anos 1900, pois a regulamentação muitas vezes atrasava as novas práticas de negócios. Constatou-se que tais acordos eram usados ​​para controlar preços e limitar a concorrência nas indústrias de aço, ferro, água e tabaco, entre outras.

Limitações de um acordo de cavalheiros


Na pior das hipóteses, um acordo de cavalheiros pode ser feito para se envolver em práticas anticompetitivas, como fixação de preços ou cotas comerciais.
Uma vez que o acordo de cavalheiros é tácito – não está no papel como um contrato legal e vinculativo – ele pode ser usado para criar e impor regras que são ilegais.


O resultado final, em muitos casos, pode ser custos mais altos ou produtos de qualidade inferior para os consumidores.
Pior ainda, um acordo de cavalheiros pode ser usado como um meio para promover práticas discriminatórias, como em uma “rede de garotos velhos”.


Os acordos de cavalheiros, por serem informais e frequentemente não escritos, não têm as mesmas proteções legais e regulatórias que um contrato formal tem e, portanto, são mais difíceis de cumprir.

O governo dos EUA proibiu os acordos de cavalheiros no comércio e nas relações comerciais entre as nações em 1890.

História e exemplos de acordos de cavalheiros


Os acordos de cavalheiros entre a indústria e o governo dos Estados Unidos eram comuns nos anos 1800 e no início do século XX.
O Bureau of Corporations, um antecessor da Federal Trade Commission, foi formado em 1903 para investigar práticas monopolistas.


O que resultou, em alguns casos, foram acordos de cavalheiros nos quais financistas de Wall Street, como JP Morgan e sua “House of Morgan”, se reuniam com o bureau para receber autorização prévia sobre fusões e aquisições.
Um exemplo foi o acordo de cavalheiros que fez com que os reguladores e o presidente ignorassem o Sherman Antitrust Act para permitir que a United States Steel Corp. se tornasse a primeira empresa de bilhões de dólares do mundo.


Em 1907, um pânico no mercado de ações que atingiu vários grandes bancos de investimento levou a uma crise financeira.
O pânico levou o presidente Theodore Roosevelt a trabalhar em estreita colaboração com o JP Morgan para consolidar os bancos sob o argumento de que isso evitaria uma crise maior.


Da mesma forma, em 1907 Morgan trabalhou novamente com Roosevelt para criar um acordo de cavalheiros que permitiria à US Steel adquirir seu maior concorrente, Tennessee Coal and Iron, em uma regra não escrita e não declarada que violava a Lei Sherman.


Acordos de cavalheiros também podem ser encontrados em tratados comerciais e relações internacionais.
Um exemplo é o Acordo de Cavalheiros de 1907, que viu os Estados Unidos e o Império do Japão abordarem a imigração do Japão e o tratamento inadequado dos imigrantes japoneses já na América. O acordo, nunca ratificado pelo Congresso, viu o Japão concordar em não mais emitir passaportes para indivíduos que procuram imigrar para a América para trabalhar. Os Estados Unidos, por sua vez, não permitiriam mais a discriminação e a segregação de cidadãos japoneses residentes na América.