Proteja seus investimentos estrangeiros do risco cambial

Publicado por Javier Ricardo - 1 março, 2021


O investimento em títulos estrangeiros, embora seja bom para sua carteira de longo prazo, continua a representar novas ameaças para os investidores.
À medida que mais pessoas ampliam seu universo de investimento, expandindo-se para ações e títulos globais, elas também devem assumir o risco associado às flutuações nas taxas de câmbio.


As flutuações nos valores dessas moedas, seja a moeda local ou estrangeira, podem aumentar ou reduzir os retornos associados aos investimentos estrangeiros.
A moeda desempenha um papel significativo no investimento; continue lendo para descobrir estratégias potenciais que podem minimizar seus efeitos.

Prós da Diversificação Estrangeira


Simplesmente não há dúvidas sobre os benefícios de possuir títulos estrangeiros em sua carteira.
Afinal, a moderna teoria de portfólio (MPT) estabeleceu que os mercados mundiais não se movem em sincronia e que, ao misturar classes de ativos com baixa correlação entre si nas proporções adequadas, o risco pode ser reduzido no nível do portfólio, apesar da presença de títulos subjacentes voláteis.


Como uma atualização, os coeficientes de correlação variam entre -1 e +1.
Qualquer coisa abaixo da correlação positiva perfeita (+1) é considerada um bom diversificador. A matriz de correlação apresentada a seguir demonstra a baixa correlação dos títulos estrangeiros com as posições domésticas.

Correlações mensais 1988 a 2006

Tipo de segurança Índice S&P 500 Índice Russell 2000 Russell 2000 Value MSCI EAFE International Small Cap Valor internacional de pequena capitalização MSCI Emerging Markets
S&P 500 1
Russell 2000 0,731 1
Russell 2000 Value 0,694 0,927 1
MSCI EAFE 0,618 0,532 0,487 1
International Small Cap 0,432 0,466 0,414 0,857 1
Valor internacional de pequena capitalização 0,41 0,411 0,414 0,831 0,97 1
MSCI Emerging Markets 0,59 0,634 0,586 0,582 0,53 0,512 1


Fonte: Dimensional Fund Advisors


Combinar ativos estrangeiros e domésticos tende a ter um efeito mágico sobre os retornos de longo prazo e a volatilidade da carteira;
no entanto, esses benefícios também vêm com alguns riscos subjacentes.

Riscos de investimentos internacionais


Vários níveis de riscos de investimento são inerentes ao investimento estrangeiro: risco político, implicações fiscais locais e risco da taxa de câmbio.
O risco da taxa de câmbio é especialmente importante porque os retornos associados a uma determinada ação estrangeira (ou fundo mútuo com ações estrangeiras) devem então ser convertidos em dólares americanos antes que um investidor possa gastar os lucros. Vamos analisar cada risco.

  • Risco de portfólio
    O clima político de países estrangeiros cria riscos de portfólio porque os governos e os sistemas políticos estão em constante mudança. Normalmente, isso tem um impacto muito direto nos setores econômico e comercial. O risco político é considerado um tipo de risco assistemático associado a países específicos, que pode ser diversificado com investimentos em uma ampla gama de países, efetivamente realizado com fundos mútuos estrangeiros de base ampla ou fundos negociados em bolsa (ETFs).
  • Tributação
    A tributação estrangeira apresenta outra complicação. Assim como os investidores estrangeiros com títulos dos Estados Unidos estão sujeitos a impostos do governo dos Estados Unidos, os investidores estrangeiros também são tributados sobre os títulos estrangeiros. Os impostos sobre investimentos estrangeiros são normalmente retidos no país de origem antes que um investidor possa realizar quaisquer ganhos. Os lucros são tributados novamente quando o investidor repatria os fundos.
  • Risco cambial
    Finalmente, existe o risco cambial. As flutuações no valor das moedas podem impactar diretamente os investimentos estrangeiros, e essas flutuações afetam os riscos de investir em ativos não americanos. Às vezes, esses riscos funcionam a seu favor, outras vezes não. Por exemplo, digamos que sua carteira de investimentos estrangeiros gerou uma taxa de retorno de 12% no ano passado, mas sua moeda nacional perdeu 10% de seu valor. Nesse caso, seu retorno líquido aumentará quando você converter seus lucros em dólares americanos, já que a queda do dólar torna os investimentos internacionais mais atraentes. Mas o inverso também é verdadeiro; se uma ação estrangeira declina, mas o valor da moeda local se fortalece o suficiente, diminui ainda mais os retornos da posição estrangeira.

Minimizando o risco cambial


Apesar dos perigos percebidos do investimento estrangeiro, um investidor pode reduzir o risco de perda com as flutuações nas taxas de câmbio fazendo hedge com futuros de moeda.
Dito de forma simples, o hedge envolve assumir um risco para compensar outro. Os contratos de futuros são ordens antecipadas de compra ou venda de um ativo, neste caso, uma moeda. Um investidor que espera receber fluxos de caixa denominados em moeda estrangeira em alguma data futura pode travar a taxa de câmbio atual entrando em uma posição futura de moeda de compensação.


Nos mercados de câmbio, os especuladores compram e vendem futuros de câmbio estrangeiro para aproveitar as mudanças nas taxas de câmbio.
Os investidores podem assumir posições compradas ou vendidas na moeda de sua escolha, dependendo de como eles acreditam que essa moeda irá se comportar. Por exemplo, se um especulador acredita que o euro vai subir em relação ao dólar norte-americano, ele fará um contrato para comprar o euro em algum momento pré-determinado no futuro. Isso é chamado de ter uma posição longa. Por outro lado, você pode argumentar que o mesmo especulador assumiu uma posição vendida em dólares americanos.


Existem dois resultados possíveis com esta estratégia de hedge.
Se o especulador estiver correto e o euro subir em relação ao dólar, o valor do contrato também aumentará e o especulador terá lucro. No entanto, se o euro cair em relação ao dólar, o valor do contrato diminui.


Quando você compra ou vende um contrato futuro, como em nosso exemplo acima, o preço do bem (neste caso a moeda) é fixado hoje, mas o pagamento só é feito mais tarde.
Os investidores que negociam futuros de moeda são solicitados a fornecer margem na forma de dinheiro e os contratos são marcados a mercado todos os dias, de modo que os lucros e perdas dos contratos são calculados a cada dia. O hedge cambial também pode ser realizado de maneira diferente. Em vez de fixar o preço da moeda em uma data posterior, você pode comprar a moeda imediatamente pelo preço à vista. Em qualquer cenário, você acaba comprando a mesma moeda, mas em um cenário você não paga pelo ativo adiantado.

Investir no mercado de câmbio


O valor das moedas flutua com a oferta e demanda globais de uma moeda específica.
A demanda por ações estrangeiras também é uma demanda por moeda estrangeira, o que tem um efeito positivo sobre seu preço. Felizmente, existe todo um mercado dedicado à negociação de moedas estrangeiras, denominado mercado de câmbio estrangeiro (forex, para abreviar). Esse mercado não tem um mercado central como a Bolsa de Valores de Nova York; em vez disso, todos os negócios são conduzidos eletronicamente no que é considerado um dos maiores mercados líquidos do mundo.


Existem várias maneiras de investir no mercado de câmbio, mas algumas são mais arriscadas do que outras.
Os investidores podem negociar moedas diretamente, abrindo suas próprias contas, ou podem acessar os investimentos em moeda através de corretoras cambiais.


No entanto, a negociação de moeda com margem é uma forma de investimento extremamente arriscada e adequada apenas para indivíduos e instituições capazes de lidar com as perdas potenciais que isso acarreta.
Na verdade, os investidores que procuram exposição a investimentos em moeda podem se beneficiar adquirindo-os por meio de fundos ou ETFs – e há muitos por onde escolher.


Alguns desses produtos fazem apostas em relação ao dólar, alguns apostam a favor, enquanto outros fundos simplesmente compram uma cesta de moedas globais.
Por exemplo, você pode comprar um ETF composto de contratos futuros de moeda em certas moedas do G10, que podem ser projetados para explorar a tendência de que moedas associadas a altas taxas de juros tendem a aumentar em valor em relação a moedas associadas a taxas de juros baixas. Os itens a serem considerados ao incorporar moeda em seu portfólio são os custos (taxas de negociação e de fundos), impostos (historicamente, o investimento em moeda tem sido muito ineficiente em termos tributários) e encontrar a porcentagem de alocação apropriada.

The Bottom Line


Investir em ações estrangeiras tem um claro benefício na construção de portfólio.
No entanto, as ações estrangeiras também têm características de risco únicas que as ações norte-americanas não têm. À medida que os investidores expandem seus investimentos no exterior, eles podem desejar implementar algumas estratégias de hedge para se proteger das flutuações em curso nos valores das moedas. Hoje, não faltam produtos de investimento disponíveis para ajudá-lo a atingir facilmente esse objetivo.