Qual é a maior ameaça à segurança para a criptomoeda Ripple?

Publicado por Javier Ricardo


Ripple pode ser a última mania no mundo das criptomoedas.
Embora seu preço ainda fique muito aquém do Ethereum e do Bitcoin, ele ganhou 3800% nos últimos meses, catapultando-o para o segundo lugar na lista de mais de 100 criptomoedas em relação à capitalização de mercado. O que é mais importante, talvez, seja a tecnologia que Ripple oferece além de sua moeda. O protocolo blockchain da Ripple foi reconhecido por mais de 60 grandes instituições financeiras em todo o mundo, sendo o National Bank of Abu Dhabi um dos mais recentes a incorporá-lo em suas práticas. O Ripple quebrou, dessa forma, uma barreira que praticamente nenhuma outra criptomoeda conseguiu, ao encontrar uma maneira de se integrar ao mundo financeiro mais amplo. Para alguns, isso representa um novo caminho para o futuro da indústria da moeda digital. Para outros, porém, O Ripple tem algumas falhas de segurança significativas. O que poderia derrubar essa estrela em ascensão?

Ripple capitaliza em uma filosofia de “mundo pequeno”


Um relatório recente da Technology Review discute como Ripple fez uso de uma filosofia de “mundo pequeno”.
De acordo com essa maneira de pensar, praticamente qualquer pessoa no mundo pode ser conectada a qualquer outra por meio de aproximadamente seis etapas. “Estranhos” podem, portanto, ser conectados uns aos outros por meio de algumas pessoas intermediárias, todas as quais se conhecem de alguma forma. Para Ripple, essa ideia vale para transferência de dinheiro: os usuários Ripple estabelecem conexões com outros usuários em quem confiam e, em seguida, os fundos são transferidos ao longo de uma cadeia para chegar ao destinatário final em uma transação.


No Ripple, se um usuário tiver conexões com dois outros usuários, os montantes de fundos confiados a cada um provavelmente irão variar, enquanto o total transferido é mantido constante para gerar liquidez.
Cada usuário tem um incentivo para atuar como intermediário, pois recebe um pequeno pagamento pela função. Com este protocolo, o Ripple permite que os usuários movimentem fundos rapidamente e por muito menos dinheiro em taxas de transação do que muitos outros métodos de transferência de dinheiro. Isso popularizou o sistema com muitos bancos que, de outra forma, não estariam interessados ​​em uma criptomoeda.

A abertura permite vulnerabilidades


A abertura com que a rede Ripple opera, por outro lado, também permitiu o desenvolvimento de vulnerabilidades.
Pesquisadores da Purdue University descobriram que, embora o núcleo da rede permaneça altamente líquido, a estrutura também permite ataques a certos nós da rede para impedir o acesso de alguns usuários aos fundos. Na verdade, cerca de 50.000 carteiras podem estar imediatamente em risco se tal ataque ocorrer. No entanto, os pesquisadores sugerem que o fato de terem sido capazes de detectar fraquezas no sistema do Ripple é na verdade uma coisa boa, já que o mundo bancário convencional muitas vezes carece de transparência a esse respeito. Tendo identificado esses pontos fracos, os desenvolvedores do Ripple podem trabalhar para corrigi-los.