Roubo de identidade sintética

Publicado por Javier Ricardo - 14 fevereiro, 2021

O que é roubo de identidade sintética?


O roubo de identidade sintética é um tipo de fraude em que um criminoso combina informações reais e falsas para criar uma nova identidade.
As informações reais usadas nesta fraude geralmente são roubadas. Essas informações são usadas para abrir contas fraudulentas e fazer compras fraudulentas.


O roubo de identidade sintética permite que o criminoso roube dinheiro de credores, incluindo empresas de cartão de crédito que concedem crédito com base na identidade falsa.

Como funciona o roubo de identidade sintética


Os fraudadores que cometem roubo de identidade sintética roubam informações de indivíduos desavisados ​​para criar uma identidade sintética.
Eles roubam números da Previdência Social (SSNs) e combinam isso com informações falsas, como nomes, endereços e até mesmo datas de nascimento. Como não há vítima claramente identificável nesse tipo de fraude, muitas vezes ela passa despercebida.


Pessoas que cometem fraude de identidade sintética podem usar múltiplas identidades simultaneamente e podem até mesmo manter contas abertas e ativas por meses – até anos – antes que a fraude seja detectada.
Eles podem abrir contas, usá-las com responsabilidade por um determinado período de tempo para construir a pontuação de crédito e histórico. A pontuação de crédito mais alta permite que o fraudador ganhe mais dinheiro no futuro. Em alguns casos, os criminosos acumulam cobranças fraudulentas e, em seguida, usam informações reais usadas para criar sua identidade falsa para se passar por uma vítima de fraude e obter sua linha de crédito restaurada. Em seguida, eles usam o crédito adicional para cometer mais roubos.


Algumas formas de fraude de identidade sintética não são motivadas pela necessidade de roubar dinheiro.
Existem alguns casos envolvendo imigrantes sem documentos que usam SSNs inventados ou roubados para obter serviços financeiros. Embora ainda seja uma forma de fraude, esses ladrões de identidade sintética não procuram roubar dinheiro de instituições financeiras, eles apenas querem acesso a contas bancárias e cartões de crédito que facilitam o pagamento e a realização de pagamentos e compras.


Principais vantagens

  • O roubo de identidade sintética é um tipo de fraude em que um criminoso combina informações reais e falsas para criar uma nova identidade.
  • Os fraudadores podem abrir contas e usá-las de forma responsável por um determinado período de tempo para construir a pontuação de crédito e o histórico.
  • Em alguns casos, os criminosos acumulam cobranças fraudulentas e, em seguida, usam informações reais usadas para criar sua identidade falsa para se passar por uma vítima de fraude e obter sua linha de crédito restaurada.
  • A fraude de identidade sintética é o crime financeiro que mais cresce nos Estados Unidos.

Detectando Sintético Identifique Roubo


O roubo de identidade sintética é um dos tipos de fraude mais difíceis de detectar e proteger contra.
Os filtros empregados por instituições financeiras podem não ser sofisticados o suficiente para detectá-lo. Quando o ladrão de identidade sintética solicita uma conta, pode parecer um cliente real com um histórico de crédito limitado.


As instituições financeiras nem mesmo podem dizer que o roubo de identidade sintética ocorreu.
Isso ocorre porque o criminoso estabelece um histórico de uso da conta fraudulenta com responsabilidade antes que ela se torne inadimplente para fazer com que pareça uma pessoa real com problemas financeiros, e não um criminoso que faz acusações e se torna inadimplente na primeira oportunidade. Esse tipo de fraude é denominado fraude de estourar.

Roubo de identidade sintético vs. tradicional


O roubo de identidade sintética é bastante diferente do roubo de identidade tradicional.
Como mencionado acima, a pessoa por trás da variedade sintética usa informações reais e inventadas para criar uma nova identidade, dificultando o rastreamento.


Com o roubo regular de identidade, por outro lado, as informações pessoais dos consumidores são roubadas ou vendidas no mercado negro e utilizadas sem seu conhecimento.
Isso inclui nomes, endereços, datas de nascimento, SSNs e informações do empregador. Os fraudadores usam a identidade real de outras pessoas em seu benefício, abrindo contas e fazendo compras. Essas pessoas geralmente não sabem da fraude até que ela apareça em seu arquivo de crédito ou sejam notificadas pelo banco, instituição financeira ou departamento de cobrança.


As vítimas podem sinalizar e congelar seus arquivos de crédito e podem autorizar investigações sobre a fraude.
Na maioria dos casos, as vítimas de roubo de identidade não são responsabilizadas pelas contas se for possível provar que foram abertas de forma fraudulenta.

Custos do roubo de identidade sintética


O roubo de identidade sintética é agora um dos tipos mais comuns de fraude de identidade, resultando em enormes perdas para consumidores e instituições financeiras.
De acordo com um relatório do Federal Reserve, é o crime financeiro que mais cresce nos Estados Unidos. Custou aos credores US $ 6 bilhões em 2016, com uma baixa média de US $ 15.000.

O roubo de identidade sintética é o crime financeiro que mais cresce nos Estados Unidos, de acordo com o Federal Reserve.

Quem tem a responsabilidade?


Os bancos podem ser vítimas de roubo de identidade sintética, uma vez que muitas das informações que os criminosos fornecem são legítimas.
Por exemplo, um criminoso pode se safar aplicando um cartão de crédito usando um nome falso, mas um número real roubado do Seguro Social (SSN). O criminoso acumula cobranças sem a intenção de reembolsá-las, e a administradora do cartão de crédito perde porque não consegue cobrar o pagamento da identidade falsa que criou a conta.


O crescimento exponencial do roubo de identidade sintética – e especialmente seu impacto nas identidades das crianças – terá desafortunadas ramificações para os jovens no futuro.
Um estudo realizado pelo CyLab da Carnegie Mellon descobriu que os SSNs de crianças têm 51 vezes mais probabilidade de serem usados ​​em um roubo de identidade sintética. O relatório do Fed citou um milhão de crianças que foram identificadas como vítimas de fraude de identidade sintética em 2017.