Como a Rússia faz seu dinheiro

Publicado por Javier Ricardo


A Rússia é duas vezes maior que os 48 estados contíguos dos Estados Unidos, com uma população instruída e muito mais riqueza natural do que você esperaria encontrar em uma área tão vasta quanto 6,6 milhões de milhas quadradas.
Essa nação não deveria ser a inveja do mundo, sua superpotência indiscutível? Ainda assim, o Produto Interno Bruto (PIB) da Rússia só vem em 11º lugar no mundo, de acordo com números do Fundo Monetário Internacional (FMI).


Enquanto os Estados Unidos figuram como a maior economia do mundo, com um PIB nominal de US $ 21,44 trilhões em 2019, o PIB nominal da Rússia chega a US $ 1,64 trilhão.
Em termos de PIB, a Rússia está atrás de países muito menores, como Reino Unido, Itália e França. Isso é muito mais baixo do que os insumos do país – como níveis de alfabetização e acesso ao capital – indicariam. Como então a Rússia ganha dinheiro e por que não ganha mais?


Principais vantagens

  • Em termos de produto interno bruto (PIB), a Rússia está atrás de países muito menores, com um PIB nominal de US $ 1,64 trilhão em 2019.
  • A economia da Rússia depende da exportação de petróleo e gás natural, ambos sob o controle do governo russo.
  • Essa falta de diversificação econômica coloca a Rússia em desvantagem quando a demanda por seus produtos de energia cai, o que faz com que a economia russa se contraia.

Dissolução da União Soviética


Desde a dissolução da União Soviética em 1991, a economia russa se saiu melhor do que a da maioria das outras 14 repúblicas menores da ex-URSS.
Os países bálticos, amigáveis ​​ao Ocidente, Letônia, Estônia e Lituânia, estão agora firmemente instalados como membros plenos da União Europeia e têm se saído muito melhor economicamente. Enquanto isso, a economia da Rússia – baseada principalmente na extração de recursos da Terra – não se traduziu em riqueza geral significativa para seus 144 milhões de cidadãos.


Oficialmente, a Rússia abandonou o comunismo décadas atrás.
Mas a realidade importa mais do que rótulos. Embora a Rússia pós-soviética ostensivamente desfrute de uma economia de mercado, seus líderes consideram seu setor de energia dominante muito importante para deixá-lo aos caprichos de compradores e vendedores independentes. Petróleo, gás natural, eletricidade e muito mais estão sob o controle de fato do governo federal.


Por exemplo, o governo russo possui uma fatia de mais da metade da Gazprom
(LSE: OGZD), a maior extratora de gás natural do mundo. A empresa de capital aberto é a sucessora do Ministério Soviético da Indústria de Gás. Cada sexto pé cúbico de gás natural neste planeta é processado por cortesia da Gazprom, cujo presidente é o ex-primeiro-ministro da Rússia, Viktor Zubkov.

Governo russo controla energia


Não importa a fonte de energia, o governo russo a controla, resultando em lucros incalculáveis ​​para a classe oligárquica do país.
Por exemplo, Inter RAO, a principal empresa de eletricidade do país, é propriedade de um consórcio de empresas estatais. A ideia de extração e refinamento de energia sendo aberta à iniciativa privada, algo dado como certo nos Estados Unidos, é literalmente um conceito estrangeiro na Rússia.


A produção de petróleo da Rússia rivaliza com a produção de gás natural.
Em 2019, o país é o terceiro maior produtor de petróleo do mundo, atrás dos Estados Unidos e da Arábia Saudita. Em 2018, o país respondia por 11% da produção total mundial de petróleo e tinha uma média de 11,4 milhões de barris de petróleo por dia, por meio de diversas empresas.


O maior deles inclui Rosneft (LSE: ROSN), Lukoil (LSE: LKOD) e Surgutneftegas
(LSE: SGGD). Embora todos os três sejam negociados na Bolsa de Valores de Londres (LSE), a Rosneft é detida 70% pelo governo russo, e a estrutura de propriedade da Surgutneftegas é quase impenetrável para os de fora. Para interpretar a lógica às vezes complicada por trás de como a indústria de energia russa e seus principais jogadores operam, é necessário examinar seus principais proprietários finais, o governo russo.

Política Russa e Economia


O partido majoritário na política russa é o Rússia Unida, fundado pelo presidente Vladimir Putin e que detém a maioria dos assentos nas legislaturas nacional e estadual.
Oficialmente, o Rússia Unida busca superar o “atraso econômico”, de acordo com um documento oficial do partido, às vezes referido como “Vai a Rússia”. O documento descreve esse atraso como “um vício em sobreviver exportando matérias-primas” e “a certeza de que todos os problemas devem ser resolvidos pelo Estado”, ambas as ambições listadas que parecem contradizer a atividade no mundo real.


Com uma classe política que jurou recuperar a antiga estatura da nação (para não falar de seu antigo território), não é surpreendente que o governo russo aproveite as oportunidades para invadir seus vizinhos mais fracos que já fizeram parte da União Soviética.
Em 2008, foi a Geórgia. Em 2014, foi um prêmio maior: a Ucrânia.


Essas invasões tiveram um alto preço econômico para a Rússia.
Após a invasão da Ucrânia em 2014, os Estados Unidos e outros países impuseram sanções econômicas contra a Rússia. O aumento das tensões geopolíticas amorteceu a demanda dos investidores por investimentos russos. Esses fatores, juntamente com a alta inflação e uma queda acentuada nos preços do petróleo no final de 2014, fizeram a economia russa contrair 3,7% no final de 2015.

The Bottom Line


A economia de uma grande nação não é exatamente adaptável a mudanças quando a economia é tão homogênea que dois terços de suas exportações são petróleo ou seus destilados.
Para a Rússia, isso se tornou ainda mais evidente no início de 2020, durante a pandemia de COVID-19. O país experimentou mais uma queda na demanda por suas exportações de petróleo e gás como resultado das quarentenas e da guerra de preços do petróleo entre a Arábia Saudita e a Rússia. Com a deterioração das condições econômicas, a manufatura russa também sofreu um golpe, com o setor relatando em abril de 2020 seu declínio mais acentuado em mais de uma década.


Dado o que é essencialmente um negócio de exportação de uma nota que opera à mercê dos movimentos de preços globais, o paradoxo é que a Rússia deixa poucas oportunidades para a população operar uma empresa livre da influência do governo.
Tudo isso em uma nação com mais potencial bruto do que qualquer outra poderia esperar.