O maior anunciante do mundo cortou US $ 200 milhões em seus gastos com publicidade digital no ano passado

Publicado por Javier Ricardo


Procter & Gamble Co. (PG), o maior anunciante do mundo, reduziu seus gastos com publicidade digital em mais de US $ 200 milhões no ano passado.


A gigante dos produtos de consumo disse que deseja atingir os consumidores de forma mais eficaz e que o valor que está gastando foi em grande parte um desperdício.
A Procter & Gamble, com marcas como Crest, Tide e Pampers, cortou seus gastos em cerca de US $ 100 milhões no trimestre de junho e outros US $ 100 milhões de julho a dezembro. 


Os cortes vieram depois que a empresa recebeu mais dados sobre os anúncios que estava publicando em plataformas de mídia social como o Facebook (FB), de acordo com o Wall Street Journal, que entrevistou o CEO Pritchard. 


“Assim que obtivemos transparência, ela iluminou o que era a realidade”, disse Pritchard.
Além de pedir mais transparência, a empresa também tem pressionado por plataformas online para monitorar mais a qualidade do conteúdo.


Um dos maiores cortes foi com a plataforma YouTube do Google (GOOGL).
Junto com o Facebook, o YouTube também tem indicado que vai melhorar sua política de veicular anúncios em vídeo da P&G próximos a conteúdo questionável. A P&G retirou completamente sua publicidade online com o Google em março e ainda não voltou.


Recentemente, o YouTube do Google pareceu ter ajudado a P&G durante o “desafio Tide Pod”, vídeos virais nos quais as pessoas desafiavam umas às outras com o detergente tóxico.
O YouTube canalizou os usuários que procuraram o “desafio do Tide Pod” para o vídeo da P&G, desencorajando a prática. (Consulte também:
Procter & Gamble continua a ter dois grandes problemas .)


A Unilever (UL) também está ameaçando retirar sua própria publicidade em mídia digital das plataformas do Facebook e do Google.
A Unilever, com marcas como Dove, Ben & Jerry’s e Lipton, disse que as plataformas estão repletas de racismo, extremismo e sexismo.


O diretor de marketing da Unilever disse recentemente que a empresa não pode continuar apoiando as plataformas com seus anúncios, em parte por uma preocupação com o que as crianças veem.


As ações da Procter and Gamble caíram mais de 13% no ano passado, com as ações caindo cerca de 7% apenas no mês passado.